27/06/2012

Deficiência do Estado


Ontem, 26/06, estava lendo a edição de Julho/2012 da revista Super Interessante, e me deparei com uma reportagem que um atleta que ganhou várias disputas em Olimpíadas e se tornou critico de uma sociedade que prega a igualdade.

Algumas vezes conversei sobre isso com pessoas da minha família e todos tem a mesma opinião, as pessoas que pregam a igualdade devem incentivar e não colocar barreiras para que as pessoas possam se superar.

Oscar Pistorius, corredor Sul-Africano, teve as pernas amputadas aos 11 meses, é ganhador de quatro medalhas Paraolímpicas, e teve que ir a justiça em 2008 fazer um pedido para que pudesse competir nas Olimpíadas, e a resposta foi: “Precisamos fazer testes”. 




O Atleta tem próteses e essas foram examinadas para saber se ele sairia em vantagem por causa da estrutura. Foi comprovado que o atleta sairia em desvantagem por não ter a explosão muscular.
No texto ele diz que alem de sair em desvantagem ele sabe que seria impossível ganhar nas duas competições, pois na época dos seus 400m, ele atingiu a marca de 45s07 e a maior marca dos atletas “normais” é 44s90, mas quer chegar o mais longe possível, pois sabe da sua capacidade apesar da deficiência.

Isso acontece também em casos de habilidade para aprendizado.

Vou contar agora uma história real e que me chocou muito. Gostei bastante da finalização do processo, pois a mãe não desistiu de expor a escola por medo.

 Sheila, mãe de uma menina que é surda oralizada, foi matricular sua filha em uma das melhores escolas de São Paulo, Colégio Rio Branco, mas sua filha foi rejeitada por ter deficiência. 
Essa mãe abriu um processo contra a escola e ganhou o caso!

 Aqui esta o ocorrido, seu desenvolvimento e a solução do caso.

 Espero que gostem e aprendam que as pessoas não precisam de barreiras, isso todos temos, mas precisamos de incentivos.

Valeu.



Nenhum comentário:

Postar um comentário